Ícone Whatss
FUNDAMENTOS DA LUBRIFICAÇÃO - PARTE II
Lubrificação

Publicado por Eng. José Cesário Neto

11 DEZ 2020 | 11h00

Amigos, dando sequência ao tema Fundamentos da lubrificação, hoje abordarei os aspectos relacionados aos lubrificantes e suas principais características e funções. 

Várias substâncias de origens diferentes podem ser usadas para lubrificar uma superfície. No entanto, as mais comuns são: óleos e graxas lubrificantes. Por se tratar de um tipo de lubrificante que possui muitas particularidades, a graxa lubrificante será abordada de forma isolada no nosso próximo post. 

Os óleos lubrificantes podem ser de base vegetal, mineral ou sintética, bem como uma combinação desses - óleos compostos (minerais + vegetais) ou semissintéticos (minerais + sintéticos). O tipo de aplicação e as condições operacionais, normalmente, determinam a base do óleo que deve ser usado. Em condições extremas de temperatura, muito frio ou muito quente, os óleos sintéticos geralmente são os mais apropriados. Nos casos onde o meio ambiente é motivo de preocupação, deve-se avaliar o uso de óleos de base vegetal. Para a grande maioria das aplicações, os óleos básicos minerais derivados do petróleo proporcionam a melhor relação custo-benefício e são amplamente utilizados. Oportunamente, abordaremos com maior profundidade os óleos básicos aqui, no nosso blog.

Os óleos lubrificantes apresentam certas características próprias que lhes são conferidas pela sua composição química, pelo tipo de refino, pelos tratamentos adicionais realizados e pelos aditivos utilizados. As principais propriedades dos óleos lubrificantes estão listadas a seguir:

 

     * Viscosidade

     * Índice de Viscosidade

     * Ponto de Fluidez

     * Ponto de Fulgor

     * Cor

     * Densidade

     * Outras

 

Viscosidade

 

A principal propriedade de um óleo lubrificante é a Viscosidade, que é definida como sendo a resistência ao movimento (fluxo) que um fluido apresenta a uma determinada temperatura. A viscosidade é uma das propriedades mais importantes a serem consideradas na seleção de um lubrificante, pois este deve ser suficientemente viscoso para manter uma película protetora entre as peças em movimento relativo, e também não ser tão viscoso que ofereça resistência excessiva ao movimento entre as peças.

FUNDAMENTOS DA LUBRIFICAÇÃO - PARTE II

Índice de Viscosidade

 

É um número empírico que expressa a taxa de variação da viscosidade com a variação da temperatura.  Quanto mais alto o IV de um óleo lubrificante, menor é a variação de sua viscosidade ao se variar a temperatura.

FUNDAMENTOS DA LUBRIFICAÇÃO - PARTE II

Ponto de Fluidez

É a menor temperatura em que um óleo flui livremente, sob condições preestabelecidas de ensaio. Esta característica é bastante variável e depende de diversos fatores como: origem do óleo cru, tipo de óleo e processo de fabricação.

FUNDAMENTOS DA LUBRIFICAÇÃO - PARTE II

Ponto de Fulgor

 

É a menor temperatura na qual um óleo desprende vapores que, na presença do ar, provocam um lampejo ao aproximar-se de uma pequena chama da superfície do óleo.  Este ensaio permite estabelecer a máxima temperatura de utilização de um produto, evitando riscos de incêndio e/ou explosão.

FUNDAMENTOS DA LUBRIFICAÇÃO - PARTE II

Cor

 

Dentre vários métodos empregados para a determinação de cor, o mais usual é o ASTM - 1500. Neste método, uma amostra líquida é colocada no recipiente de teste e, utilizando uma fonte de luz, esta amostra é comparada com discos de vidro colorido, que variam em valor de 0,5 a 8,0. Quando não é encontrada uma equivalência exata e a cor da amostra fica entre duas cores padrão, relata-se a mais alta. Assim, um óleo que tenha a cor entre 2,5 e 3,0 será reportado L3,0.

 

A cor dos óleos não tem relação direta com as características lubrificantes e nem com a viscosidade, um óleo mais claro não é necessariamente menos viscoso.

FUNDAMENTOS DA LUBRIFICAÇÃO - PARTE II

Qual a importância da cor em um lubrificante?

 

1) Identificação de vazamentos. Por esta razão, muitas vezes, são adicionados corantes nos óleos para facilitar a identificação dos mesmos.

2) Atrativo comercial. Óleos mais claros ou coloridos artificialmente podem dar uma ideia de produtos de maior qualidade.

3) Facilitar a visualização das peças (nos casos de produtos para usinagem).

4) Não interferir na cor do produto final quando o óleo fizer parte da composição do mesmo.

 

Densidade

 É a relação entre o peso do volume do óleo medido a uma determinada temperatura e o peso de igual volume de água destilada. Também é conhecida como massa específica. A maior parte dos produtos líquidos de petróleo são manipulados e vendidos por volume, porém, em alguns casos, é necessário conhecer o peso do produto.  Conhecendo-se a densidade, é possível converter volume para peso e vice-versa.

FUNDAMENTOS DA LUBRIFICAÇÃO - PARTE II

Outras propriedades

Além das propriedades detalhadas acima, existem outras como:

 

     * Ponto de Anilina

     * Volatilidade

     * Ponto de Inflamação

     * Ponto de Congelamento

 

Quem desejar saber o que significa cada uma dessas outras propriedades, deixe sua mensagem no campo de comentários que responderei o mais breve possível.

 

E agora, na última parte do nosso artigo, apresentamos as principais funções que o lubrificante deve desempenhar:

 

     * Separar as peças em movimento

           - Reduzir fricção (atrito)

           - Reduzir desgaste

     

     * Refrigerar

           - Bom para a máquina

           - Bom para o lubrificante

           - Mantém a viscosidade

           - Reduz a degradação do óleo (oxidação)

     

     * Outras funções

           - Vedar

           - Transferir força/potência

           - Proteger contra ferrugem/corrosão

           - Remover partículas contaminantes

 

Para finalizar, gostaria de destacar o uso de novas tecnologias que possibilitam a economia de combustível e a redução de emissão de gases do efeito estufa, que acabaram adicionando novas funções aos óleos lubrificantes. Tecnologias como o turbo, injeção direta de combustível, sistema de "stop-and-go" e redução no tamanho do motor, estão criando maior demanda para óleos de motor, o que reforça a importância do uso de produtos de qualidade e alta performance. 

 

Encerro por aqui e fico no aguardo pelos comentários e perguntas... Até o próximo correio técnico!

(0) Comentário(s)

*Campo obrigatório